HERÁLDICA


Bandeira de Óbidos



PORTARIA Nº 8356 DE 4 DE FEVEREIRO DE 1936
    BANDEIRA: Esquartelada de amarelo (ouro) e de azul com as armas no centro, cordões e borlas de ouro azul, haste e lança douradas.


    ARMAS:
    De vermelho com um castelo de ouro, aberto e iluminado de azul, sainte de penhascos de negro realçados a verde. A torre central carregada com uma quina antiga de Portugal e as torres laterais encimadas por dois crescentes de prata. Coroa mural de quatro torres de prata, listel branco com dizeres “VILA DE ÓBIDOS” a negro.

    A) A COROA MORAL é de quatro torres em virtude de se tratar de uma vila.
    B) O ESMALTE OU COR VERMELHA tem a sua origem no rubi e em Marte, simbolizando valor, decisão e guerra. Obriga especialmente a defender os oprimidos. No caso particular de Óbidos esta cor refere-se concerteza ao sangue derramado na conquista de Óbidos aos mouros.
    C) O CASTELO DE OURO encontra-se nestas armas em virtude de uma fortificação que esta vila possui.
    D) OS PENHASCOS referem-se ao monte e rochedos onde este castelo se encontra.
    E) OS DOIS CRESCENTES que encimam as torres laterais significam que esta vila foi tomada aos mouros.
    F) O ESMALTE OU COR AZUL que ilumina o castelo tem a sua origem na safira e em Júpiter e simboliza realeza, majestade, formusura e serenidade. Obriga a defender os servidores do Rei que se acham sem recompensa.
    G) QUINTA ANTIGA DE PORTUGAL encontra-se na torre central do castelo e significa o senhorio de Portugal nesta terra tomada aos mouros.
    H) OS METAIS
    I) OURO – presente no castelo tem a sua origem no topásio e no Sol, simboliza riqueza, força, fé, pureza, e consciência. Obriga a defender o Rei e dar por ele o seu sangue.
    J) PRATA – presente nos dois crescentes e na coroa moral, tem a sua origem na pérola e na Lua. Simboliza inocência, candura e lizura. Obriga a defender as donzelas e os órfãos.
    In “Manual de Heráldica Portuguesa” de Armando de Mattos, Edição de 1941 e “Elucidário Nobiliárquico de H. de Dornellas, Edição de 1938.
Print Friendly and PDF